Adeus Funcionário

Hoje foi o último dia que o Funcionário veio trabalhar aqui.

Uma das últimas coisas que ele disse, na última de muitas demonstrações de autopiedade, foi que a mulher dele queria visitar uma amiga e ele só tinha R$ 2,00 no bolso, e o ônibus custa R$ 2,20. Pouco depois, ele falou:

Eu já estou com 54 anos e nunca consegui arrumar um jeito de ganhar dinheiro. É muito difícil ganhar dinheiro.

Concordo, Funcionário. É bem difícil. Mas é menos difícil se você consegue manter-se num emprego, e para tanto a pessoa deveria seguir algumas regrinhas, as quais você jamais seguiu. Ei-las:

  1. Não beber água e devolver o copo usado no armário;
  2. Não usar uma colher, lambê-la, e depois devolvê-la dentro do armário, sujando ainda outros talheres no processo;
  3. Não dizer para o seu empregador que a empresa dele é uma corda bamba;
  4. Não dizer aos patrões, após encontrar um celular na rua, que jamais o devolverá porque o mundo é dos espertos.
  5. Não parar durante 30 minutos para conversar fiado cada vez que decidir beber água;
  6. Não falar diariamente que é um talento sem reconhecimento, porque supostamente é capaz de montar “aeronaves experimentais”.
  7. Não falar diariamente sobre planos de construir o primeiro motor aeronáutico a turbina desenvolvido no Brasil, e realmente acreditar ser capaz disso, apenas porque foi capaz de aprender na prática algo sobre eletrônica e metalurgia.
  8. Não interromper o trabalho alheio para contar piadas como “sabe qual é o cúmulo da rapidez? Atirar uma bola na cesta e ela cair no sábado”;
  9. Não interromper o trabalho alheio para comentar que o melhor remédio para queimação no estômago é leite com couve, todas as vezes que tiver queimação no estômago (quatro vezes por dia), e não usar os próximos 30 minutos para dizer que os melhores remédios estão na natureza, e que todo remédio comprado não funciona;
  10. Não interromper o trabalho alheio para comentar sobre Hitler usando tecnologia alienígena na Segunda Guerra;
  11. Não interromper o trabalho alheio para afirmar que cidadãos italianos são proibidos de passar fome;
  12. Não interromper o trabalho alheio para comentar sobre a pornografia dentro de suas mídias ópticas;
  13. Não interromper o trabalho alheio para contar causos passados sobre a reação de sua filha pequena em relação a seu irmão com ereção;
  14. Não interromper o trabalho alheio para demonstrar sua ignorância sobre placas de trânsito;
  15. Não interromper o trabalho alheio para demonstrar sua ignorância sobre proteção contra descargas atmosféricas;
  16. Não interromper o trabalho alheio para comentar sobre a sua insuficiência pulmonar durante o ato sexual.
  17. Não interromper o trabalho alheio para conjecturar sobre abutres estratosféricos.
  18. Não interromper o trabalho alheio para compartilhar teorias de invasões alienígenas.
  19. Não interromper o trabalho alheio para relatar suas aventuras com mulheres deficientes mentais.
  20. Não interromper o trabalho alheio, porra! Tem gente com mais o que fazer do que ouvir conversa fiada.

No começo, eu tinha pena. Sempre fui gentil, sempre esclareci didaticamente qualquer dúvida que me tenha perguntado (por mais esdrúxula que fosse!). Sempre dei dicas no sentido de melhorar e educar. Cheguei a passar livros  para aumentar sua instrução. All to no avail.

A pior defeito de uma pessoa é a ignorância. É ignorar, desconhecer, ser alheio a fatos que para outros são óbvios. É como entrar num jogo sem conhecer as regras. É praticamente impossível vencer.

O Funcionário ignora todas as regras acimas, e mais um monte. Tive oportunidade de falar com o último empregador dele, que disse que o demitiu “porque ele conversa demais e atrapalha os outros”. Não foi o que o empregador disse ao Funcionário. E não será o que eu direi a ele. No caso, ele foi contratado para fazer um serviço específico, que terminou. Não precisaremos demiti-lo; ele simplesmente não receberá novos contratos de nossa parte (jamais). Eu poderia dizer a ele por quê, mas não tenho coragem, por ter receio de ele ficar, como disse o Bill, “inconsolável”. E resolver tramar vinganças e outras maldades. “Quem bate esquece, quem apanha nunca esquece”.

Da mesma maneira que o empregador anterior omitiu o real motivo da demissão, eu também omitirei. Ele acha que saiu do outro emprego porque não existia mais a função que ele exercia, e não sente raiva dos ex-patrões. Ele acha que saiu da nossa empresa porque terminou o serviço, e não sentirá raiva de nós. E assim ele continuará jogando a vida sem conhecer as regras. Permanecerá ignorante e sofrendo as consequências disso.

O mundo é um lugar muito cruel.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: