Eu Vivo Escrevendo: é verdade

Hoje mais cedo, decidi que precisava ter um blog. De novo. De novo, porque eu já tive um, que durou uns 3 anos e que tinha uma audiência cativa. No final, a audiência resumia-se em meia dúzia de gatos pingados, mas ainda assim era cativa. Teve até um (quase) comovente pedido de que eu não terminasse o blog. Porque, sim, eu terminei o blog. Um dia eu fui lá e declarei que aquele seria o último post.

Eu terminei o blog porque tinha a impressão de que dava trabalho demais mantê-lo. O problema nem era ter assunto para postar; o problema é a maneira como eu escrevia. Era bem… olha só, colocando uma camada de metalinguagem aqui, as últimas reticências ali significam que eu gastei vários minutos escolhendo uma palavra, e nenhuma me deixou satisfeito. Era assim que eu escrevia. Levava horas para escrever um texto. Pelo visto, algumas coisas nunca mudam.

Creio que, desde que terminei o blog, tenho vivido em negação quanto a minha necessidade de escrever. Eu troquei o blog pelo fotolog, porque achei que a fotografia poderia dar vazão a este ímpeto que eu tenho de me expressar. Não demorou muito para ficar evidente que não era verdade. Tinha vontade de escrever, pensava em reabrir um blog e logo tentava me convencer de que “daria trabalho demais”. Aí veio o Twitter, e achei que tinha encontrado minha salvação! Eu podia escrever, mas poderia restringir minha obcessão pelo Texto a meros 140 caracteres. Gosto muito do Twitter, mas não é o suficiente.

Recentemente vi uma entrevista de um novo escritor por aí, alguém que bem poderia ser eu, dizendo que escrevia desde muito cedo, tentou se expressar de outras formas, na música, na fotografia, mas que nada daquilo saciava a vontade de escrever.

O que ele disse era exatamente o que eu sentia. Mesmo assim, mantive a negação por mais alguns meses, até hoje mais cedo. Rendi-me ao dragão.

Escrever faz parte da minha vida. Eu vivo escrevendo. Transformo bilhetes em cartas, transformo cartas em crônicas, transformo anotações em solilóquios. Tenho sonhos ousados em relação à escrita, que só o futuro dirá se vão se concretizar ou se não. O que sei agora é que vou usar este medium para alimentar o dragão. Não sei se vai durar. Não sei para onde vai. Mas tenho certeza que um dia escreverei a respeito.

5 respostas para Eu Vivo Escrevendo: é verdade

  1. homemacido disse:

    Muito bom (re)ler o(s) seu(s) post(s). Vou te adicionar no google reader e acompanhar as suas publicações.
    A propósito, é a primeira vez que ouço a palavra solilóquios.

  2. giselle disse:

    gostei…
    não desite!!!

  3. renner disse:

    Aleluia!

    Nonsense rococó is back!

  4. Celo disse:

    É isso aí!

  5. Gustavo disse:

    Resumiu bem essa estranha necessidade que temos de escrever. Eu, mesmo escrevendo só besteira, já pensei em terminar o blog várias vezes mas, por motivos obscuros que nem eu sei, acabo não conseguindo (e, no final, nem querendo). Quando acabei com um blog, logo depois surgiu outro, e assim por diante…

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: